Dietas e o bem estar psicológico

 

Impressiona o número de publicações científicas na área da Psiquiatria que apontam que muitos transtornos psiquiátricos surgem por carência de nutrientes essenciais. Caso das vitaminas do complexo B e de alguns minerais como o magnésio e o zinco. A prevalência atual de problemas de saúde mental nas populações ocidentais é de aproximadamente 20% e estima-se que metade de todos os transtornos mentais em adultos se origine na adolescência.

A dieta desempenha um papel importante na modulação do bem-estar psicológico e as vitaminas do complexo B são vitais para a síntese de neurotransmissores, como a serotonina e a dopamina. Importa à indústria farmacêutica somente descobrir drogas que ampliem a ação destes neurotransmissores todavia, carências nutricionais podem deflagrar crises de ansiedade, pânico e até de quadros depressivos que podem ser rapidamente controlados com a reposição destes nutrientes

Existem evidências que relacionam certos padrões alimentares, particularmente a dieta mediterrânea, com um risco reduzido de demência e depressão.

Alguns exemplos

Vitamina B1 : ansiedade

Vitamina B3: alucinações. Esquizofrenia

Vitamina B6: ansiedade e depressão

Folatos: depressão

Zinco e magnésio: depressão e ansiedade

SAME: depressão em homens

Omega 3 e vitamina D: depressão, autismo

Estes nutrientes frequentemente trazem alívios de muitas destas doenças e além disso, podem atuar como coadjuvantes terapêuticos juntos às drogas farmacêuticas. O hábito de prescreve-los concomitantemente aos remédios leva a outro benefício que é reduzir o número de indivíduos que não respondem aos vários tipos das drogas psiquiátricas e que são classificados como “não respondedores”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

20 − dezenove =